SpaceX promete sustentabilidade e segurança para a constelação Starlink[ 4 min ]

Em meio à preocupação da NASA, a SpaceX diz que possui “recursos significativos” para superar as melhores práticas com a Starlink quando se trata de sustentabilidade e segurança.

Em uma atualização publicada no site da empresa em 22 de fevereiro, a SpaceX delineou seu protocolo de sustentabilidade e segurança para seus satélites de Internet Starlink na segunda-feira (28 de fevereiro), enquanto a empresa busca adicionar dezenas de milhares de sondas ao seu crescente megaconstelação. 

Esta atualização da SpaceX ocorre em meio a preocupações recentes levantadas pela NASA sobre o impacto de mais satélites Starlink . A preocupação da NASA segue críticas anteriores aos satélites da Internet Starlink por acelerar a taxa de quase colisões no espaço, inclusive na Estação Espacial Internacional, e por interferir nas observações astronômicas devido ao seu brilho. A SpaceX abordou a primeira preocupação (as colisões e detritos) em detalhes com este novo esboço.

Nesta nova declaração, a SpaceX promete um compromisso com “um ambiente orbital seguro, protegendo os voos espaciais humanos e garantindo que o ambiente seja mantido sustentável para futuras missões na órbita da Terra e além”.

A longa atualização inclui o plano de abordagem da SpaceX para lançamentos atuais e futuros do Starlink, incluindo alta manobrabilidade, compartilhamento aberto de dados com outras empresas, agências e autoridades espaciais e um sistema de prevenção de colisões no espaço a ser usado como último recurso.

Nas palavras da SpaceX, estas são as principais práticas da empresa para a Starlink:

  • Projetar e construir satélites altamente confiáveis ​​e manobráveis ​​que demonstraram confiabilidade superior a 99%;
  • Operar em baixas altitudes (abaixo de 600 km [372 milhas]) para garantir que não haja detritos persistentes, mesmo no caso improvável de um satélite falhar em órbita;
  • Inserção de satélites em uma altitude especialmente baixa para verificar a saúde antes de subir em sua órbita operacional/na estação;
  • Compartilhamento transparente de informações orbitais com outros proprietários/operadores de satélites;
  • Desenvolveu um sistema avançado de prevenção de colisões para tomar medidas efetivas quando os riscos de encontro excederem os limites de segurança.

Para esta constelação de satélites, a SpaceX está se apoiando em tecnologias avançadas, como comunicações ópticas (ou laser) entre satélites, para possibilitar essas melhores práticas, disse a empresa na atualização. A SpaceX também instou outras operadoras a “se juntarem a nós” em práticas como compartilhar dados orbitais e atualizar as principais partes interessadas do governo, especialmente incluindo a Comissão Federal de Comunicações (FCC), que governa as atividades de telecomunicações em órbita.

“A SpaceX continua inovando para acelerar as tecnologias espaciais, e atualmente estamos fornecendo conectividade de internet muito necessária para pessoas em todo o mundo, incluindo partes carentes e remotas do mundo, com nossa constelação Starlink”, observou a SpaceX.

A empresa apontou outros fatores que tornam o Starlink um sistema altamente adaptável, aos olhos da SpaceX, incluindo uma baixa taxa de falha de satélite individual (1%), um compromisso com satélites de órbita considerados em risco de falha e escudos especiais e equipamentos de bateria para reduzir micrometeoritos ou falhas de bateria causem problemas catastróficos. Além disso, dentro dessas práticas, todos os satélites são desorbitados dentro de quatro semanas após o término de sua vida operacional.

Em 3 de fevereiro, a SpaceX executou um lançamento no qual os satélites a bordo foram destruídos devido à atividade solar, aumentando temporariamente a densidade da atmosfera terrestre. 

A SpaceX argumentou que, ao colocar os satélites em uma órbita baixa, situações raras como essa permitem que os satélites sejam “desorbitados rápida e ativamente usando seu propulsor ou passivamente por arrasto atmosférico”. (A empresa também está pedindo que a FCC mude seus padrões de deorbitação de 25 anos para um cronograma muito mais rápido, para reduzir o risco de detritos orbitais.)

A empresa também apontou práticas de transparência de dados que gostaria que outros operadores fizessem, como compartilhar parâmetros orbitais no Space-Track.org e fornecer “relatórios de saúde de sistema de rotina” à FCC que incluem manobras orbitais recentes para reduzir o risco de colisão.

A SpaceX reconheceu que seus satélites chegaram perto de grandes hardwares, incluindo a ISS e a estação espacial chinesa Tiangong, mas disse que seu sistema de risco de colisão foi verificado com o programa Conjunction Assessment and Risk Analysis (CARA) da NASA sob um acordo Space Act com a NASA.

“Trabalhamos diretamente com a NASA e recebemos planos de manobra da ISS para ficar longe de sua trajetória atual e planejada, incluindo queimaduras”, escreveu a SpaceX. “A China não publica manobras planejadas, mas ainda fazemos todos os esforços para evitar sua estação com autorização equivalente à ISS com base em efemérides publicamente disponíveis [informações de órbita]”.

No entanto, a NASA levantou preocupações sobre os novos satélites Starlink da SpaceX. A agência tem “preocupações com o potencial de um aumento significativo na frequência de eventos de conjunção e possíveis impactos nas missões científicas e de voos espaciais tripulados da NASA”, afirmou a agência em uma carta que foi enviada à FCC em fevereiro, quando a SpaceX solicitou permissão para adicionar Mais 30.000 satélites de Internet Starlink em órbita como parte de um sistema Starlink “Gen 2”.

“A NASA quer garantir que a implantação do sistema Starlink Gen 2 seja conduzida com prudência”, acrescentou a agência, “de uma maneira que apoie a segurança dos voos espaciais e a sustentabilidade a longo prazo do ambiente espacial”. A decisão de aprovar o sistema Gen 2 da SpaceX ainda está com a FCC.

Fonte: Space.

Se o conteúdo foi útil, compartilhe, e se puder, faça um pix de qualquer valor para pix@greenbusinesspost.com e mantenha o nosso time empenhado na geração de novos conteúdos.

Click Here
Newsletter
Faça como 350 mil pessoas e receba conteúdos exclusivos! Inscreva-se aqui!!

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do GREEN BUSINESS POST.

REPUBLIQUE nosso conteúdo de acordo com a Collaborative Progress License!

APOIE: ao adquirir livros e outros produtos por meio de links no site, você estará apoiando o autor ou o canal sem pagar nada a mais por isso. 🙂

PARTICIPE dos grupos de discussão:  FacebookGoogle

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.