Brasil é referência mundial em biocombustíveis[ 2 min ]

Com programa específico para combustíveis, o Renovabio, ideia é contribuir para redução de gases do efeito estufa

O Brasil é referência mundial na substituição de combustível fóssil por combustíveis renováveis, na forma de etanol e biodiesel. Nos primeiros nove meses de 2018, o etanol adicionado à gasolina e utilizado na frota flex do País substituiu 44,3% da gasolina. Em alguns Estados, como Mato Grosso, esse grau de substituição chega a 64,2%. Em São Paulo, que é o maior consumidor do ciclo Otto (gasolina mais etanol), a substituição alcançou 57,8% no período. Esses números, citados pelo presidente da consultoria Datagro, Plinio Nastari, revelam não só o potencial de economia de combustível fóssil no País como de redução de emissões de gases do efeito estufa – nas quais o insumo proveniente do petróleo é pródigo.

O setor de biocombustíveis dará uma contribuição enorme para o Brasil atingir as metas que se comprometeu a cumprir dentro do Acordo de Paris”, diz Nastari. Ele comenta, porém, que a execução do Plano Nacional de Biocombustíveis, o Renovabio, aprovado em 26 de dezembro de 2017 sob a lei 13.576, se dará “independentemente de o Brasil permanecer no acordo”. O Renovabio foi formulado pelo governo federal justamente por causa dos compromissos que o Brasil assumiu no acordo climático, de reduzir as emissões de gás carbônico nas áreas de energia e transportes. A meta, explica Nastari, é reduzir 10,1% a intensidade de emissão de carbono no setor de energia e transportes até 2028. Não se trata, porém, de adesão obrigatória das empresas ao Renovabio. “Não é mandatório”, diz Nastari. “É um programa que visa criar um ordenamento e uma previsibilidade para o setor, além de trazer maior competitividade para o segmento de biocombustíveis, pois o Renovabio visa estimular o aumento da eficiência energética e a redução do impacto ambiental.”

Com o novo programa, ele acredita que o etanol será um combustível cada vez mais sustentável. “De fato, ele já é o combustível mais sustentável do mundo e vai ficar cada vez mais eficiente do ponto de vista ambiental.” Para ele, é inevitável que o Brasil continue nessa “rota de sustentabilidade crescente”. “Mas é absolutamente indesejável que o Brasil abandone o Acordo do Clima porque já é o país mais ‘verde’ do mundo e o que tem melhores condições de se diferenciar nos quesitos de produção de alimentos e energia sustentáveis. Somos um grande exemplo no uso da terra e de água.”

Fonte: Estadão.

[amazon_link asins=’8589687309,B0778N1FPK,B00VOLIDBW,8561163011,B00ZYJO2RO,3639748476,8561325992,B0040GJGK0,8562564125′ template=’ProductCarousel’ store=’green-business-post-20′ marketplace=’BR’ link_id=’0ed7dbbd-f703-11e8-acfc-9dfd4a6db646′]

Se estamos lhe agregando de alguma forma, apoie a profissionalização do canal. Faça um pix de qualquer valor para pix@greenbusinesspost.com e mantenha o nosso time empenhado na geração de novos conteúdos.

Click Here
Newsletter
Faça como 350 mil pessoas e receba conteúdos exclusivos! Inscreva-se aqui!!

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do GREEN BUSINESS POST.

👍 REPUBLIQUE nosso conteúdo de acordo com a Collaborative Progress License!

🫶 APOIE: ao adquirir produtos por meio de links no site, você estará apoiando o autor/canal sem pagar nada a mais por isso.

👣 ACOMPANHE nossas redes no Everlink.

💪 PARTICIPE das discussões sobre ESG+ no Facebook.

Lenah Sakai

Ex-atleta, green fellow (vegetariana, minimalista), trabalhando duro para tornar as organizações, os maiores impactadores do planeta, mais responsáveis. Formada em administração pela PUC-SP, há +10 anos atua em negócios e sustentabilidade. Fundadora do Green Business Post, co-fundadora da Ignitions Inc., do movimento Cultura Empreendedora, do DIRIAS, 1ª associação de direito digital do Brasil e da ABICANN, 1ª associação das indústrias de cannabis do Brasil. Hoje é gestora de uma rede de 5 milhões de pessoas do ecossistema empreendedor nacional e internacional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *