Encontrada solução para o acúmulo de isopor[ 3 min ]

Larvas do tenébrio-gigante se desenvolvem normalmente comendo apenas isopor; enzimas que quebram poliestireno podem ser usadas em reciclagem

Por: Ronaldo Godoni | Meio Bit | 14 junho 2022.

Em uma de suas mais famosas esquetes, George Carlin (1937 – 2008) disse que quando a humanidade desaparecer da face da Terra, uma das poucas coisas que deixaremos para trás é o plástico em suas várias formas, entre elas o isopor, um dos materiais mais resistentes à degradação. São 400 anos até ele sumir, ficando atrás do vidro (~1 milhão de anos) e outros plásticos (450 anos).

Quase nenhum produto à disposição hoje pode dissolver isopor, fazendo dele um problemão ecológico, como todo plástico. No entanto, uma pesquisa recente confirmou algo que o conhecimento popular já sabia: larvas do tenébrio-gigante (Zophobas morio), um “super inseto” explorado comercialmente em todo o mundo, pode se alimentar de uma dieta exclusiva do material, e decompô-lo inteiramente.

Um dos grandes problemas em relação ao poliestireno expandido, o nome técnico do isopor, vem do fato que embora ele possa ser reciclado e reaproveitado (moído, ele pode ser incorporado à argamassa, por exemplo), vem do fato dele acabar sendo descartado de maneira errada, indo parar no lixo comum e consequentemente, em aterros.

Ema vez na natureza, como todo plástico, o isopor levará séculos para se decompor, e para combater esse problema, cientistas vêm estudando há várias décadas no desenvolvimento de novos materiais, solventes e métodos que possam permitir a quebra dos plásticos e isopor em outros componentes, quando a reciclagem não é uma opção.

O problema, não há nenhum método hoje eficiente o bastante que supere campanhas de descarte correto e posterior reciclagem e reaproveitamento, o que depende de uma cadeia muito bem estabelecida para o recolhimento do isopor, e também de campanhas para educar a população e empresas. Desnecessário dizer que dada a quantidade de plásticos em geral na natureza, isso não vem dando certo.

O poliestireno sólido, quando puro, é usado na confecção de pipetas de laboratório e outros recipientes translúcidos, já o de alto impacto, que possui 10% de polibutadieno na composição, é empregado na confecção de brinquedos, placas de trânsito e outros materiais que exigem resistência. O isopor ainda o mais usado, e sozinho responde por de 7% a 10% de todos os plásticos não-fibrosos produzidos.

Se reciclar tudo não é tão simples, resta encontrar formas de decompô-lo, onde o tenébrio-gigante entra.

Trata-se de uma larva de besouro bem conhecida do grande público, mesmo no Brasil, onde ele é o inseto mais explorado comercialmente do país. Ele é uma fonte poderosa de nutrientes e pobre em carboidratos, e comprado principalmente por criadores de répteis, mas também vem sendo estudado como base da alimentação para humanos, mesmo fora de situações drásticas.

A parte interessante sobre os tenébrios-gigantes, que muita gente já sabia, está no fato deles serem capazes de se alimentar de isopor, sem isso causar danos às larvas, mas ninguém sabia efetivamente qual o limite de poliestireno expandido que eles poderiam comer.

Agora, um artigo (cuidado, PDF) publicado na Microbial Genomics, por pesquisadores da Universidade de Queensland, Austrália, revelou não haver limite algum. Conforme a pesquisa, tenébrios-gigantes conseguem digerir poliestireno completamente, graças a uma mistura única de enzimas providas por bactérias em seus tratos digestivos, e extrair quase todos os nutrientes de que precisam.

Surpreendente, os pesquisadores constataram que a taxa de metamorfose não caiu tanto em comparação a uma dieta tradicional (ração), que provê gorduras ausentes no isopor. Nos testes, 92,9% dos insetos alimentados com farelo chegaram à fase de besouro, contra 66,7% dos que comeram só poliestireno expandido. Isso mostra que os tenébrios-gigantes são basicamente decompositores naturais de isopor.

Segundo o prof. Dr. Christian Rinke, um dos co-autores do estudo, uma análise do suco gástrico permitiu isolar os genes dos micróbios que produzem as enzimas capazes de decompor isopor; o desafio agora é reproduzir o processo em escala, de modo a desenvolver métodos que possam fazer a quebra do material na natureza, até porque não dá para produzir tenébrios o suficiente para isso.

Referências bibliográficas

SUN, J. et. al. Insights into plastic biodegradation: community composition and functional capabilities of the superworm (Zophobas morio) microbiome in styrofoam feeding trials. Microbial Genomics, Volume 8, Nº. 6 (2022), 19 páginas, 9 de junho de 2022. Disponível aqui.

Fonte: The University of Queensland, Australia

Se estamos lhe agregando de alguma forma, apoie a profissionalização do canal. Faça um pix de qualquer valor para pix@greenbusinesspost.com e mantenha o nosso time empenhado na geração de novos conteúdos.

Click Here
Newsletter
Faça como 350 mil pessoas e receba conteúdos exclusivos! Inscreva-se aqui!!

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do GREEN BUSINESS POST.

👍 REPUBLIQUE nosso conteúdo de acordo com a Collaborative Progress License!

🫶 APOIE: ao adquirir produtos por meio de links no site, você estará apoiando o autor/canal sem pagar nada a mais por isso.

👣 ACOMPANHE nossas redes no Everlink.

💪 PARTICIPE das discussões sobre ESG+ no Facebook.

Lenah Sakai

Ex-atleta, green fellow (vegetariana, minimalista), trabalhando duro para tornar as organizações, os maiores impactadores do planeta, mais responsáveis. Formada em administração pela PUC-SP, há +10 anos atua em negócios e sustentabilidade. Fundadora do Green Business Post, co-fundadora da Ignitions Inc., do movimento Cultura Empreendedora, do DIRIAS, 1ª associação de direito digital do Brasil e da ABICANN, 1ª associação das indústrias de cannabis do Brasil. Hoje é gestora de uma rede de 5 milhões de pessoas do ecossistema empreendedor nacional e internacional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *