Uma grande oportunidade no mercado sustentável de US$ 3 trilhões de dólares[ 2 min ]

Um novo estudo internacional da Unilever apontou que 33% dos consumidores estão comprando de marcas que eles acreditam estarem fazendo bem para a sociedade e para o meio ambiente.

*Por Lenah Sakai | 28 out 2019

Foram 20 mil pessoas de 5 países diferentes entrevistadas sobre como as preocupações sobre sustentabilidade impactam em suas escolhas nas lojas e em suas casas.  Foi feito um mapeamento para decisões reais de compra, dando uma imagem mais precisa do que as pessoas realmente compram e o por quê. 

Descobriu-se que um a cada 5 pessoas (21%) escolheria uma marca de forma mais ativa caso a credencial sustentável dela estivesse evidente nas embalagens e no seu marketing. Isso representa uma oportunidade inexplorada de aproximadamente US$ 1 trilhão de dólares (€966 bilhões) de um total de aproximadamente US$ 3 trilhões de dólares (€2,5 trilhões) do mercado de produtos sustentáveis.

A escala dessa oportunidade também é confirmada pelo próprio desempenho financeiro da Unilever. De suas centenas de marcas, como Dove, Hellmann’s e Ben & Jerry, que integraram a sustentabilidade em seus objetivos e produtos, ela gerou quase metade do crescimento global da empresa em 2015. Coletivamente, eles também estão crescendo 30% mais rápido que o resto do negócio.

O estudo também sugere que a tendência de compra orientada por propósito é maior entre os consumidores nas economias emergentes do que nos mercados desenvolvidos. Enquanto 53% dos compradores no Reino Unido e 78% nos EUA dizem que se sentem melhor quando compram produtos que são produzidos de forma sustentável, esse número sobe para 88% na Índia e 85% no Brasil e na Turquia.

Keith Weed, Diretor de Marketing e Comunicações da Unilever, afirma: “Esta pesquisa confirma que a sustentabilidade não é algo simplesmente bom para as empresas terem. De fato, tornou-se um imperativo. Para ter sucesso globalmente, e especialmente nas economias emergentes da Ásia, África e América Latina, as marcas devem ir além das áreas de foco tradicionais, como desempenho de produtos e acessibilidade.

Em vez disso, eles devem agir rapidamente para provar suas credenciais sociais e ambientais e mostrar aos consumidores que podem confiar no futuro do planeta e das comunidades, bem como em seus próprios resultados.

O estudo identifica duas razões prováveis para o maior foco dos consumidores em compras sustentáveis em economias emergentes em comparação com os mercados desenvolvidos. A primeira é a exposição direta ao impacto negativo de práticas comerciais insustentáveis, como escassez de água e energia, pobreza alimentar e má qualidade do ar.

E o segundo é o poder das normas sociais. Assim, enquanto as pessoas brasileiras, indianas e turcas sentem a pressão de sua família, amigos e até mesmo de seus filhos para comprar produtos mais verdes e mais socialmente responsáveis, esse senso de escrutínio social é menos prevalente no Reino Unido e nos EUA.

Se o conteúdo foi útil, compartilhe, e se puder, faça um pix de qualquer valor para pix@greenbusinesspost.com e mantenha o nosso time empenhado na geração de novos conteúdos.

Click Here
Newsletter
Faça como 350 mil pessoas e receba conteúdos exclusivos! Inscreva-se aqui!!

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do GREEN BUSINESS POST.

REPUBLIQUE nosso conteúdo de acordo com a Collaborative Progress License!

APOIE: ao adquirir livros e outros produtos por meio de links no site, você estará apoiando o autor ou o canal sem pagar nada a mais por isso. 🙂

PARTICIPE dos grupos de discussão:  FacebookGoogle

Lenah Sakai

Ex-atleta, green fellow (vegetariana, minimalista), trabalhando duro para tornar as organizações, os maiores impactadores do planeta, mais sustentáveis. Formada em administração pela PUC-SP, há +10 anos atua em negócios e sustentabilidade. Fundadora do Green Business Post, co-fundadora da Ignitions Inc., do movimento Cultura Empreendedora, do DIRIAS, 1ª associação de direito digital do Brasil e da ABICANN, 1ª associação das indústrias de cannabis do Brasil. Hoje é gestora de uma rede de 5 milhões de pessoas do ecossistema empreendedor nacional e internacional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.