CCJ aprova política de reaproveitamento e doação de equipamentos eletrônicos[ 2 min ]

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou quarta-feira (12) proposta que cria a Política Nacional de Desfazimento e Recondicionamento de Equipamentos Eletroeletrônicos. A ideia é reaproveitar equipamentos e bens de informática da administração pública para assegurar o pleno acesso a tecnologias da informação e da comunicação a toda a população.

O relator, deputado Thiago Peixoto (PSD-GO), recomendou a aprovação da proposta, que segue agora para análise do Plenário da Câmara dos Deputados. Ele apresentou uma emenda para que pessoas físicas e instituições com fins lucrativos não sejam habilitadas a participar da política nacional.

Como aconteceu na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, o texto aprovado é o Projeto de Lei 7789/17, do deputado André Amaral (Pros-PB), que tramita apensado ao PL 7706/06, da Comissão de Legislação Participativa. O texto principal foi rejeitado, assim como o substitutivo aprovado em 2008 pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público.

Relator, o deputado Thiago Peixoto defendeu a aprovação do PL 7789/17, que ainda será analisado pelo Plenário.

André Amaral defendeu a proposta de sua autoria. “Hoje temos 247 milhões de smartphones no Brasil. Imagine que, com a evolução tecnológica, a cada dia um celular de ontem fica em desuso. Mas se é recondicionado, pode ser reaproveitado em diversas áreas ou entregue às pessoas que não têm condições de adquirir um computador ou um celular.”

Prioridades
Conforme o PL 7789/17, a política terá como prioridade povos, grupos, comunidades e populações em situação de vulnerabilidade social que requeiram o acesso a essas tecnologias para exercer seus direitos humanos, sociais e culturais.

O texto pretende transformar em lei ações de sucesso adotadas pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, como os Pontos de Inclusão Digital (PID) e o Programa Computadores para Inclusão.

O Programa Computadores para Inclusão determina que os equipamentos doados aos PIDs tenham configuração mínima para permitir a utilização de serviços básicos (e-mail, redes sociais, ferramentas de buscas, serviços bancários e pacotes de ferramentas de escritórios). Nos equipamentos, são instalados softwares livres, em idioma português do Brasil.

Íntegra da proposta:

Fonte: Agência Câmara Notícias.

Se estamos lhe agregando de alguma forma, apoie a profissionalização do canal. Faça um pix de qualquer valor para pix@greenbusinesspost.com e mantenha o nosso time empenhado na geração de novos conteúdos.

Click Here
Newsletter
Faça como 350 mil pessoas e receba conteúdos exclusivos! Inscreva-se aqui!!

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do GREEN BUSINESS POST.

👍 REPUBLIQUE nosso conteúdo de acordo com a Collaborative Progress License!

🫶 APOIE: ao adquirir produtos por meio de links no site, você estará apoiando o autor/canal sem pagar nada a mais por isso.

👣 ACOMPANHE nossas redes no Everlink.

💪 PARTICIPE das discussões sobre ESG+ no Facebook.

Lenah Sakai

Ex-atleta, green fellow (vegetariana, minimalista), trabalhando duro para tornar as organizações, os maiores impactadores do planeta, mais responsáveis. Formada em administração pela PUC-SP, há +10 anos atua em negócios e sustentabilidade. Fundadora do Green Business Post, co-fundadora da Ignitions Inc., do movimento Cultura Empreendedora, do DIRIAS, 1ª associação de direito digital do Brasil e da ABICANN, 1ª associação das indústrias de cannabis do Brasil. Hoje é gestora de uma rede de 5 milhões de pessoas do ecossistema empreendedor nacional e internacional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *