Gerador flexível e à prova d’água converte nossos movimentos em eletricidade e pode mudar o futuro da internet das coisas no corpo humano

Por: Redação do Site Inovação Tecnológica – 07 out 2021 | Adaptado por Lenah Sakai – 16 out 2021

elon musk energia renovavel futuro

Este dispositivo bioeletrônico macio e flexível converte os movimentos do corpo humano – desde dobrar o cotovelo a movimentos sutis, como um giro no pulso – em eletricidade.

Um gerador construído com ele pode então ser usado para alimentar pequenos aparelhos portáteis, tecidos eletrônicos, sensores de diagnóstico e até implantes.

A novidade se tornou possível quando Yihao Zhou, da Universidade da Califórnia de Los Angeles, descobriu que é possível gerar o efeito magnetoelástico em um material macio e flexível.

O efeito magnetoelástico, que é a mudança de quanto um material é magnetizado quando minúsculos ímãs são constantemente aproximados e separados por pressão mecânica, até agora só havia sido documentado em sistemas rígidos.

Para demonstrar seu conceito, a equipe usou ímãs microscópicos dispersos em uma matriz de silicone fina como papel para gerar um campo magnético que muda de intensidade conforme a matriz ondula – à medida que a força do campo magnético muda, a eletricidade é gerada.

“Nossa descoberta abre um novo caminho para tecnologias práticas de energia, sensoriamento e terapêuticas centradas no corpo humano e que podem ser conectadas à Internet das Coisas”, disse o professor Jun Chen.

“O que torna esta tecnologia única é que ela permite que as pessoas se estiquem e se movam com conforto quando o dispositivo é pressionado contra a pele humana, e, como ela depende de magnetismo em vez de eletricidade, a umidade e o nosso próprio suor não comprometem sua eficácia.”

Gerador bioeletrônico

Este gerador já nasce totalmente compatível com as tecnologias de vestir.

O protótipo do gerador magnetoelástico flexível, do tamanho de uma moeda, foi feito incorporando pequenos ímãs de boro-ferro-neodímio em uma matriz polimérica de silicone catalisada com platina.

Fixado no cotovelo, ele gerou 4,27 miliamperes por centímetro quadrado, o que é 10.000 vezes melhor do que a melhor tecnologia de nanogeradores flexíveis demonstrada até agora.

Fonte: Inovação Tecnológica.

aparelhos portáteis | efeito magnetoelástico | energia humana | energia renovável | gerador | implantes | inovação | internet das coisas | ODS 13 | Ação contra a mudança Global do clima | ODS 3 | Saúde e bem-estar | ODS 7 | Energia limpa e acessível | ODS 9 | Indústria inovação e infraestrutura | pegada de carbono | sensores de diagnóstico | tecidos eletrônicos | tecnologia | Universidade da Califórnia

Compartilhe esse conteúdo

Newsletter

Receba oportunidades, editais, eventos e conteúdo exclusivo diretamente em seu email.

Cadastre-se

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do GREEN BUSINESS POST.

REPUBLIQUE nosso conteúdo de acordo com a Collaborative Progress License!

APOIE: ao adquirir livros e outros produtos por meio de links no site, você estará apoiando o autor ou o canal sem pagar nada a mais por isso. 🙂

SIGA: Acha interessante os temas que levantamos no canal? Siga nossa fundadora Lenah Sakai e acompanhe as discussões e tendências.

PARTICIPE dos grupos de discussão:  FacebookGoogle

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *