O uso do glifosato na produção de alimentos em todo o mundo tem originado discussões e levantado polêmica entre os diversos setores da sociedade.

No Brasil não é diferente, tanto que o tema motivou a realização de uma Consulta Pública para ouvir o que a sociedade pensa sobre o assunto.

Para contrapor argumentos negativos e mostrar a importância do produto para a produção de alimentos no país, o Notícias Agrícolas está ouvindo especialistas dos mais diferentes setores, como pesquisadores, entidades representativas do agro, área da saúde, pessoas que vão ajudar a enriquecer o debate. 

Você pode ver as entrevistas realizadas pelo site clicando aqui

A consulta pública obteve 4.602 contribuições e os resultados já podem ser verificados no site da Anvisa. Com relação a manutenção da utilização do glifosato no Brasil, os resultados foram:

glifosato no Brasil

Veja a publicação na íntegra clicando aqui

No G1: Maioria das contribuições em consulta pública pede proibição do glifosato no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou nesta terça-feira (9) os resultados de uma consulta pública sobre o uso do agrotóxico glifosato, o pesticida mais usado no país: a maioria das pessoas ou instituições que participaram pedem a proibição do produto no país. No entanto, segundo a Anvisa, por experiência de consultas anteriores, muitas respostas são consideradas sem valor técnico.

Fonte: Notícias Agrícolas. Imagem: Ponto Terra.

Atualização semanal

Receba oportunidades, editais, eventos e conteúdo exclusivo diretamente em seu email.

Cadastre-se

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Green Business Post.

Siga nossas redes sociais

Creative Commons License AttributionRepublish

2 Comentários

  1. eu não sei nem por onde começar.
    mas vou começar pelo fim. a matéria no final cita uma noticia do G1 sobre a referida consulta publica, afirmando que a maioria pede a proibição. quando compartilhei essa matéria no facebook eu mostrei que o item da referida consulta tinha problemas nos itens dos questionamento, algo que tendênciou um resultado negativo, mas até aí ja estamos acostumados. mas o problema é pior pois eu tive a curiosidade de verificar a referida consulta, que pelo menos foi indicado o link para tal, verifiquei que o resultado dessa consulta publica, é preocupante, pois as razoes de uma consulta publico é ajudar que políticas publicas sejam desenvolvidas levando em conta a visão da sociedade, até ai tudo bem, mas ocorre que esse é um tema técnico e pessoas comuns como eu não entendem “necas de pitibiriba” sobre agrotoxicos e nem sobre o glifosato. e pq isso é importante, pq quando vc olha a referida pesquisa percebe que mais de 90% das pessoas que opinarão tambem desconhecem o assunto, a pesquisa refere de forma bem enfatica a participação de mais de 4600 pessoas, o que poderia ser expressivo se pelo menos 50% fossem pesquisadores tecnicos, empresas agricutores e não são.
    não vou pontuar as questões, mas recomendo que as pessoas olhem a pesquisa e reflitam se um tema tão técnico e de uma complexidade tão grande deva ser discutido de forma tão superficial assim, como disse o objetivo da consulta publica é ajudar o gestor a tomada de decisões para políticas publicas, não é possível querer misturar opiniões de técnicos e cientistas com a opinião da população comum, é muito perigoso. e voltando oa inicio do fim, está publicação reproduz uma noticia de outro site de forma a chancelar uma maioria que desconhece o assunto, acredito que se o este canal tem a intenção de trazer um debate real fizesse tal analise, e não simplesmente reproduzisse um pequeno pedaço do todo. Se as pessoas estão se contentando com isso, é triste.

    1. Author

      Oi, Rubhi, bem observado. As consultas públicas são abertas para qualquer cidadão opinar, assim como as eleições. Nem todos são especialistas em agrotóxicos ou de gestão de um país, mas a opinião de todos conta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *