butão agricultura orgânica

Os partidos políticos no reino do Himalaia se unem para erradicar os fertilizantes químicos e pesticidas como parte de seu programa de Felicidade Nacional Bruta.

O Butão poderia, dentro de uma década, se tornar o primeiro país do mundo a ser totalmente orgânico em sua produção de alimentos, de acordo com os principais políticos do reino do Himalaia.

O ministro da Agricultura e Florestas, Lyonpo Yeshey Dorji, e o líder da oposição Pema Gyamtsho, que ocupou o cargo no governo anterior, dizem que há um compromisso conjunto para livrar o país de fertilizantes químicos e pesticidas.

Embora nenhum cronograma formal tenha sido implementado, ambos os políticos acreditam que a meta está à vista enquanto soluções naturais práticas puderem ser encontradas para os problemas de pragas e doenças que ainda afetam algumas culturas. A fim de acelerar a busca por essas respostas, o Butão reuniu recentemente especialistas em agricultura orgânica de todo o mundo.

“Se continuarmos a ter a mesma intensidade de compromisso e intenção, então poderemos fazê-lo em cinco ou dez anos” (Pema Gyamtsho)

Pema Gyamtsho estima que cerca de 70% da produção já é cultivada sem produtos químicos.

“Mas, por outro lado, se usarmos apenas como um slogan, pode levar de 20 a 30 anos, ou pode não acontecer. Depende realmente de quão sérios são os sucessivos governos para levar isso adiante.”

Lyonpo Yeshey Dorji diz que o novo governo está mantendo o forte compromisso do governo anterior com a agricultura orgânica, mas diz que qualquer movimento para erradicar produtos químicos precisa ser feito de forma voluntária.

Embora ele também diga que é possível se tornar uma nação orgânica dentro de uma década, isso depende do governo ser capaz de “demonstrar que os benefícios superam os custos e as pessoas devem estar dispostas e felizes com a transição e as escolhas. Isso significa investimento em pesquisa agrícola e apoio através da conversão “.

Depois de substituir o Índice de Desenvolvimento Humano (o famoso IDH), pelo Índice de Felicidade Interna (FIB), os governos passaram a privilegiar a felicidade de seus 750 mil habitantes.

Porém, apesar do compromisso dos dois principais partidos políticos, alguns especialistas dentro do Butão se preocupam que estão sendo otimistas demais e que os agricultores estão realmente se tornando cada vez mais dependentes de fertilizantes químicos. Muitos dos fazendeiros no centro e no leste do Butão falaram de sua relutância em se tornarem totalmente orgânicos, pois acreditam que seus rendimentos cairão, especialmente considerando que os padrões climáticos estão se tornando mais instáveis. Muitos produtores, por exemplo, dizem que os fertilizantes químicos aumentam o tamanho de suas batatas, o que facilita encontrar mercados de exportação em países como a Índia.

No entanto, Gyamtsho insiste que a tendência é na direção oposta, pois os agricultores começam a reconhecer que os produtos químicos estão tendo um efeito prejudicial na qualidade do solo.

“Os agricultores ficam bastante entusiasmados quando usam fertilizantes químicos pela primeira vez, porque veem que precisam fazer menos trabalho, menos capinar”, diz ele. “Mas depois de um período de tempo, eles também veem as consequências negativas.”

“Muitos fazendeiros agora veem que isso destrói o solo e sua capacidade de retenção de água, a menos que eles aumentem a entrada ano a ano, eles não estão recebendo o tipo de retorno que estavam obtendo mais cedo.

“Para desenvolver esse movimento e mudar a mentalidade dos agricultores, precisamos levá-los a ver terras onde os rendimentos não estão sendo afetados usando apenas fertilizantes naturais. Se eles estiverem convencidos, eles também adotarão essas práticas.”

Outra questão que precisa ser abordada se a produção orgânica é economicamente viável é a falta de capacidade de certificação dentro do Butão. O primeiro laboratório de testes abriu apenas recentemente.

Gyamtsho diz que a prioridade no momento deve ser satisfazer os mercados regionais que não precisam do mesmo nível de supervisão de terceiros que os compradores da Europa e dos EUA exigem.

Mas, à medida que a capacidade de testes do país cresce, ele diz que a certificação será “um requisito muito importante, não apenas para o mercado de exportação, mas também para o nosso povo, pois ele precisa saber o que está comendo”.

Ele diz que a estratégia orgânica é adotar uma abordagem passo a passo, avançando região por região, produto a produto e que inovações são essenciais para encontrar formas de erradicar doenças e melhorar a produtividade das culturas.

“Estamos procurando soluções alternativas, como o biopesticida”, diz ele.

“A ideia de ter uma conferência internacional sobre ecologia orgânica aqui é aproveitar os conhecimentos e recursos internacionais disponíveis. Então, talvez não tenhamos a solução para os repolhos, mas alguém no Brasil pode ter.” (Pema Gyamtsho)

O Brasil é referência mundial no âmbito da agricultura, sendo o único país, do mundo com tecnologia e condições climáticas para conseguir duas safras anuais e realizam um trabalho comunitário junto à ONU para países que precisam de auxílio para desenvolver sua agricultura.

Tim Hewitt, CEO da IDE, que cria oportunidades de renda e sustento para as famílias rurais pobres e trabalha no vizinho Nepal, diz que faz sentido comercial para o país avançar para a produção de alimentos orgânicos, mas adverte sobre os perigos de tentar reivindicar a erradicação da produção de alimentos orgânicos. todos os produtos químicos.

“O manejo integrado de pragas tem funcionado muito bem no Nepal, mas há um trade-off. Você está aumentando o risco de perder sua colheita e está aumentando os preços porque seus rendimentos são menores.” (Tim Hewitt, CEO da IDE)

“Eu teria cautela contra fazer uma declaração geral de que o país é 100% orgânico ou aspira a ser assim. Olhando para o futuro, será difícil manter a integridade se você reivindicar alguma coisa e as pessoas descobrirem que não é o caso.”

A decisão de implementar as políticas para a agricultura ogânica passará a valer a partir de 2020, quando todos os alimentos produzidos no país deverão ser provenientes de práticas de agricultura ecológica. Grande parte das plantações do país já são orgânicas, graças aos altos custos dos produtos artificiais na região.

O país pretende exportar alimentos naturais para China, Índia e outros países vizinhos.

Fontes: The Guardian, Hyperness.

Atualização semanal

Receba atualização exclusiva diretamente em seu email.

Cadastre-se

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Green Business Post.

Siga nossas redes sociais

Creative Commons License AttributionRepublish

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *