ciência desenvolvimento sustentável

“Bioeconomia: Diversidade e Riqueza para o Desenvolvimento Sustentável” será o tema da 16ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), que acontecerá de 21 a 27 de outubro de 2019. A divulgação foi feita na terça-feira (20.11), pelo secretário-executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Elton Zacarias.

Bioeconomia é uma economia sustentável, que reúne todos os setores da economia que utilizam recursos biológicos (seres vivos).

Esse mercado destina-se a oferecer soluções coerentes, eficazes e concretas para os grandes desafios sociais, como a crise econômica, as mudanças climáticas, substituição de recursos fósseis, segurança alimentar e saúde da população.

Essa atividade econômica é dependente de pesquisa em biociências, tecnologias de informação, robótica e materiais; visa transformar o conhecimento e novas tecnologias em inovação para indústria e sociedade.

Segundo dados da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD), a bioeconomia movimenta no mercado mundial cerca de 2 trilhões de Euros e gera cerca de 22 milhões de empregos.

“É um tema bastante adequado à diversidade natural do Brasil. Em um país continental, com a quantidade de biomas que temos, é um grande gerador de recursos e desenvolvimento. A bioeconomia também é um tema aderente aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, ressaltou o secretário.

Elton Zacarias enfatizou ainda o esforço que vem sendo despendido junto às instituições parceiras para que a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia alcance as metas traçadas pelo MCTIC. “A SNCT cresce a cada ano, com a participação de instituições, parceiros e municípios envolvidos cada vez mais.

“Faz parte da missão do ministério popularizar a ciência. Um país sem ciência é um país sem futuro, precisamos da ciência para o nosso desenvolvimento”.

Segundo a diretora do Departamento de Políticas e Programas para Inclusão Social, Sônia da Costa, a expectativa é atingir 1,5 mil municípios de todo o País.

“No ano passado, tivemos 1.311 municípios participantes. Para este ano a projeção é de que vamos superar este número. Ela destacou ainda um aumento de 10% de participação em cada estado”.

Sônia acrescentou que a Semana Nacional tem crescimento expressivo desde 2015, quando começou a ser promovida por meio de editais. “Além dessa nova metodologia, tivemos um esforço organizado das federações de apoio à pesquisa nos estados e uma ótima repercussão na mídia”.

Ela ainda destacou os investimentos do MCTIC para impulsionar a Semana Nacional de 2018, que somaram R$ 6 milhões. Um total de 198 projetos foi aprovado para receber apoio nas duas linhas de apoio disponibilizadas pela chamada pública, 17% a mais do que no ano passado.

“A finalidade da Semana é estimular o contato e a interação com a ciência e a tecnologia, com tudo o que há de mais moderno e que está sendo feito pelas instituições brasileiras”, disse.

Os representantes das instituições que participaram da SNCT 2018, no Pavilhão do Parque da Cidade, em Brasília, inclusive a Agência Espacial Brasileira (AEB), receberam o certificado de Participação do secretário-executivo adjunto do MCTIC Alfonso Orlandi.

O secretário destacou também a importância da participação dos expositores, responsáveis pelo conteúdo apresentado na semana do evento.

Fonte: Agência Espacial Brasileira, FIESP.

Atualização sustentável

Receba oportunidades, editais, eventos e conteúdo exclusivo diretamente em seu email.

Cadastre-se

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Green Business Post.

Republique nosso conteúdo de acordo com a Collaborative Progress License!

Ao adquirir livros e outros produtos por meio de links no site, você estará apoiando o autor ou o canal sem pagar nada a mais por isso. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *