Fome ásia onu Brasil

Centro da ONU Brasil aposta em assistência remota para combater fome na Ásia

O Centro de Excelência contra a Fome da ONU, com sede no Brasil, presta consultoria técnica para diferentes nações da Ásia. Uma das estratégias adotadas pelo organismo é o uso da assistência remota, que permite o acompanhamento à distância de políticas pelo fim da desnutrição. De acordo com a instituição, modelo deverá ser utilizado ainda mais no futuro, para ampliar o potencial da cooperação Sul-Sul.

Desde a sua criação em 2011, o centro da ONU forneceu assessoria e oportunidades de diálogo para dez países asiáticos. Delegações de nove nações vieram ao Brasil para entender como o Estado sul-americano usa a alimentação escolar para promover nutrição adequada e crescimento no meio rural.

Bangladesh veio ao Brasil para uma visita de estudo em 2012 e promoveu mudanças no menu de refeições servidas em seus colégios. As Filipinas realizaram uma missão em 2013 e, após a viagem, o governo decidiu alocar mais recursos para um programa de alimentação escolar feito em casa.

O Camboja está em processo de revisar seu roteiro nacional de alimentação escolar. O programa do país deixará de ser administrado pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA) para ser plenamente gerido pelo governo.

O Laos enviou especialistas para o Brasil em 2014 e está trabalhando para fortalecer os vínculos entre alimentação escolar, agricultura local e políticas sociais e nutricionais.

O Paquistão lançou sua política de fome zero em 2012 e a visita de uma delegação ao Brasil em 2014 ajudou o governo a estruturar sua implementação. O Centro de Excelência também enviou um consultor ao país, no período 2014-2016, para trabalhar com o governo federal, os governos provinciais e o escritório nacional do PMA.

Em 2017, o centro recebeu uma equipe da China para trocar experiências na área de segurança alimentar e nutrição. A delegação conheceu projetos brasileiros de fornecimento de refeições em centros de ensino. Iniciativas de cooperação Sul-Sul do Brasil e do PMA também foram discutidas durante a missão.

Assistência remota

O Timor-Leste participou de uma visita de estudo ao Brasil em 2011. O Centro de Excelência e especialistas do governo brasileiro prestaram apoio remoto ao país em 2016, inclusive participando de um evento via internet. O governo propôs uma resolução, aprovada pelo Parlamento, para priorizar o acesso a uma boa nutrição para mulheres e crianças.

A assistência à distância também tem sido a abordagem adotada pelo centro para trabalhar com o Nepal. Revisão de documentos e aconselhamento técnico são algumas das maneiras pelas quais o organismo tem colaborado com o país. Na nação asiática, a instituição apoia as etapas de planejamento de dois estudos-piloto, um sobre modalidades de alimentação escolar e outro sobre o desenvolvimento de materiais de alfabetização que abordem temas de nutrição.

Fonte: Nações Unidas.

[amazon_link asins=’B077C74H87,B0145S0RYQ,B00J7YJUGK,B00WDP4XZ8,8550401897,B077R1GFVJ,8537000523,B004IEA1BM,8588888149′ template=’ProductCarousel’ store=’green-business-post-20′ marketplace=’BR’ link_id=’76dff3b2-af9b-11e8-b26b-f7650ef6d036′]

Atualização semanal

Receba oportunidades, editais, eventos e conteúdo exclusivo diretamente em seu email.

Cadastre-se

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Green Business Post.

Siga nossas redes sociais

Creative Commons License AttributionRepublish

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *